Carlos Burity deixa a cultura angolana mais pobre

Mais uma vez a cultura angolana está de luto! Desta vez é por conta da morte de um dos grandes ícones da música nacional. Trata-se do sembista Carlos Burity, que perdeu a vida na clínica Girassol, em Luanda, na madrugada desta quarta-feira, vítima de doença prolongada, conforme informou o seu ex-agente Maló Jaime.

De acordo com o seu ex-agente, Maló Jaime, o músico deu entrada no Banco de Urgência, já em estado grave, onde acabou por morrer. A Direção nacional da Cultura encabeçada por Euclides Da Lomba, tratou de informar aos familiares.

Carlos Burity protagonizou sucessos como “Malalanza”, “Tia Joaquina”, “Tona Cashi”, “Manazinha” e “Mucangiami”, tendo lançado álbuns como “Ginginda”, “Zuela o Kidi”, “Paxi Iami”, “Carolina”, “Massemba”, “Uanga”, “Zuela ó Kidi”, e “Malalanza”.

Próximo das turmas e da movimentação dos grupos de Carnaval luandenses, Carlos Burity já era no princípio dos anos 70, figura de cartaz no centro cultural e de recreação da cidade de Luanda, alinhando como vocal em agrupamentos musicais consagrados como: Kiezos, Negoleiros do Ritmo, África Show e Águias-reais.

Em 1974 grava com o Grupo Semba, uma seleção de músicos angolanos que ficou na história da Música Popular Angolana, o seu primeiro single que inclui os temas “Ixi Iami” e “Recado”. Neste mesmo ano dividiu o palco com David Zé e Artur Nunes, num grande espetáculo realizado na Cidadela Desportiva de Luanda, promovido pelos empresários Palma Fernandes e Ambrósio de Lemos.

Em 1983 junta-se ao “Canto Livre de Angola”, projecto protagonizado pelo cantor brasileiro Martinho da Vila e o empresário Fernando Faro, que naquele ano levou ao Brasil importantes figuras do semba angolano como: Filipe Mukenga, André Mingas, Dina Santos, Pedrito, Elias dia Kimuezo, Mamukueno e Joy Artur. Acompanhados pelo agrupamento Semba Tropical, Burity participa integrado no mesmo projecto na gravação do LP “Semba Tropical in London”, interpretando com notável sucesso, os temas “Mon’ami” e “Tona kaxi”.

Em 1994 surge com “Angolaritmo“, que aparece sob a forma de CD, pela editora VIDISCO com o título “Ilha de Luanda”.

Filho de Fernando Gaspar Martins e de Maria Carolina Nunes Burity, Carlos Fernandes Burity Gaspar, “Carlos Burity”, morreu aos 67 anos de idade, tendo nascido em Luanda, no dia 14 de Novembro de 1952.

Por: Valentim Basílio