João Lourenço persiste na realização de acção para redução da taxa de pobreza

O presidente da república João Lourenço, fez saber em um debate realizado na última quinta-feira (02) que, apesar da pandemia ter afectado o estado económico do país, não impediu em nada a realização de acções para reduzir a alta taxa de pobreza existente no país.

“O facto de a pandemia ter afectado negativamente os recursos económicos e financeiros e os programas de desenvolvimento económico e social do país não impediu que Angola continuasse a desenvolver esforços e a realizar ações para reduzir as taxas de pobreza, melhorar a qualidade e cobertura do ensino básico e garantir o acesso aos cuidados primários de saúde, sobretudo para as famílias mais vulneráveis”, informou o chefe de estado acrescentando, “construímos infraestruturas exclusivamente dedicadas ao tratamento dos casos existentes de covid-19, como hospitais de campanha, e adaptámos todos os hospitais existentes para o atendimento desses casos, tendo aumentado em cinco mil o número de camas disponíveis, das quais mais de mil para os cuidados intensivos”.

O governo de Angola empregou até ao momento, recursos próprios num valor que ascende à 164.600.000 dólares, deste consta um financiamento emergencial de 14.400.000 dólares garantido pelo Banco Mundial, de acordo às declarações de João Lourenço.

O presidente garantiu que Angola
tem um plano de vacinação para cobrir inicialmente 90% da população prioritária, e incentivou a COVAX FACILITY a reunir recursos, que assegurem de forma equitativa a vacinação de pelo menos 20% da população dos países de média e baixa renda.

Ravelino de Castro
Desenvolvedor de softwares e CEO do Portal Tudo A Ver