Empresário condenado à morte por corrupção e bigamia, na China

Lai Xiaomin Tribunal
Lai Xiaomin Tribunal

O governo chinês condenou à morte o empresário Lai Xiaomin, de 52 anos, por crimes de corrupção e bigamia nesta terça-feira (05) de Janeiro.

O empresário detido em Abril de 2018 foi declarado culpado por crimes como: suborno, peculato e bigamia, Lai foi acusado de ter recebido 260 milhões de dólares em subornos, por ter relações e viver com outras mulheres, enquanto casado com a mulher com quem teve filhos.

Lai Xiaomin, é um executivo de negócios chinês e economista sênior que actuou como chefe do partido e presidente do conselho da China Huarong Asset Managementi e ex-presidente de um dos principais conglomerados financeiros da China, foi condenado à morte sem prorrogação.

“Os valores são muito elevados, e as circunstâncias, particularmente graves”, foram alguns dizeres na sentença emitida pelo tribunal de Tianjin.

O empresário confessou o crime e garantiu não ter gastado nenhum centavo do dinheiro recebido no suborno, como transmitiu a emissora estatal CCTV, numa reportagem em que mostrou imagens de um apartamento de Pequim com cofres e armários cheios de dinheiro, na mesma reportagem mostram carros de luxo e barras de ouro que o mesmo teria aceitado como suborno.