Banco BIC esclarece posse de aeronave da FAN

Aeronave BIC
Aeronave BIC

A Administração do Banco BIC pronunciou-se por meio de um comunicação sobre a detenção da aeronave Beechcraft, matrícula D2-EDBU que o Telejornal da Televisão Pública de Angola (TPA) e o Jornal de Angola noticiaram, e garantiram a legalidade do uso da mesma desde 2010.

A referida aeronave, estava ao serviço do Banco BIC, sustentado por um contrato firmado com o Estado Maior da Força Aérea, desde 2010 e hoje remetido à Snra Directora do Serviço Nacional de Recuperação de Activos, juntamente com demais documentação de prova de que não há qualquer ilegalidade ou uso abusivo ou indevido do avião, informou a administração do banco.

O Beechcraft estava inoperacional no hangar da empresa Helliang, no aeroporto de Luanda, a precisar de uma grande reparação.

O Banco BIC propôs em 2010 a reparação do avião e custeou directamente, junto das oficinas de Reparação na África do Sul, todas as despesas no valor superior de 1.100.000.00 de USD, acrescido de 550.000,00 USD dee manutenção diverso. O BIC paga mensalmente 25.000,00 USD (vinte e cinco mil USD) como renda de utilização da aeronave, valor que é dedutível no investimento antecipado feito pelo BIC, e que ultrapassou os USD 1.600.000,00.

O Banco dispões de 321 agências espalhadas pelas 18 províncias de Angola e faz a recolha e a reposição de valores e diverso apoio logístico, por meios aéreos e terrestres, manifestando, por isso, o interesse em contratar com à Força Aérea de Angola utilização do avião.

Não há qualquer situação de favor por parte da Força Aérea de Angola para com o Banco BIC. O acordo foi transparente e os termos do contrato foram sempre cumpridos por Ambas as Partes.

O banco ainda está disponível para eventuais esclarecimentos adicionais que considerem de necessários, bem como a consulta presencial de documentação existente a bem da verdade e da transparência.