Dog Murras fala sobre união entre angolanos:-“Aqui não tem Noé nem família dele”

Dog Murras
Dog Murras

O músico angolano Dog Murras, pronunciou-se recentemente apelando a união entre angolanos que desconhecem ser um só povo e uma só nação.

O artista serviu-se da sua conta em uma das redes socias para expor seu pensamento sobre a realidade que ouviu há 4/5 séculos, e vive desde 1975 data em que o país tornou-se independente.

“Ya Família, é essa a nossa triste herança, depois de quase 4/5 séculos acorrentados, amordaçados, porradados, explorados em todas vias pelo colono que nos partiu as pernas, embarrou as muletas e saiu voado em 75 e nos deixou assim perdidos, despreparados, dikindados, sem perspectivas de presente e futuro, obrigados a lutar angolano contra mwangolê, do Norte contra sulano, preto contra preto, preto contra mulato (que também é preto), estado contra o povo, marimbondos contra marimbondos, polícia contra zungueira, polícia contra constituição, Constituição contra o povo, jornalistas contra activistas, activistas “Pop Stars” contra activistas comprados, artista contra artista, fãs contra ídolos, ricos contra pobres, pobres contra pobres, mwangolê contra langas e langa zula contra zuata”, começou dizendo o cantor.

Dog Murras acrescentou ainda que a união faz força e pelo facto de serem um só povo, devem unir-se e assim melhorar o estado do país.

“Desde 75 que estamos a se distribuir rebuçados e chocolates e ainda não percebemos que numa batalha entre irmãos todos são perdedores.
Quando é que vamos compreender que nós todos estamos aqui, juntos e misturados na mesma arca da mãe Joana”? Aqui não tem Noé nem família dele, aqui temos Bakongos, Kimbundos, Umbundus, Nganguelas, Ovimbundus, Imbindas, Tchokwes, Nhianeka Umbis, Kwanyamas, Khoikhoi, etc. Aqui somos várias etnias que formam o “Talo” um só povo e a “Tala” uma só nação, mesmo sem querer estamos ligados, conectados e somos obrigados a viver, conviver, e nos respeitarmos a nós mesmos e a esse espaço territorial chamado N´gola que pertence a nós todos. Somos multiétnicos, a nossa diversidade cultural tem que ser a nossa força, não a razão da nossa desagregação e confusão permanente. Precisamos de acordar angolanos!!! Deixar de ser o cardápio nessa mesa global. Somente a nossa União, colectividade e o nacionalismo comprimissado nos permitirá ganhar peso e ocupar espaço dentro dessas várias ordens mundiais que sempre nos avacalham por culpa da nossa visão “Coxita”, ambição estúpida e posicionamento medíocre. Temos que deixar de contar só até dois manos. Precisamos de ter o controle do nosso país nas nossas mãos, projectar e construir para os nossos kandengues o caminho que os levará ao progresso. Chega de bilo entre nós. LUMBWENDANGUE!!!
Kambwá”, disse Dog Murras.