Aeroporto 4 de Fevereiro é considerado “criticamente deficiente” pela IFALPA

O Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, situada em Luanda, foi considerada como “criticamente deficiente” e atribuída uma estrela negra recentemente, pela Federação Internacional de Associações de Pilotos de Linha Aérea (IFALPA) que decidiu manter as classificações passadas na sua mais recente conferência, segundo uma carta que o Instituto Nacional da Aviação Civil (INAVIC) recebeu desta mesma instituição.

Em um documento divulgado pela IFALPA, que é instituição especializada em assuntos aeronáuticos e na defesa dos interesses dos pilotos de linha aérea, principalmente os relacionados com a segurança das operações aéreas, afirma que o aeroporto 4 de Fevereiro, não está preparado para a navegação de aeronaves não equipadas com transponder, não tem sinalização adequada na pista e não possui proteção necessária para evitar que pessoas e animais interfiram na navegação.

“IFALPA, que consiste em abordar 100 associações de pilotos nacionais individuais que representam mais de 100.000 pilotos em todo o mundo, recebem, em uma base regular, relatórios sobre as deficiências do aeroporto e do espaço aéreo em todo o mundo. Na Conferência IFALPA de 2021, as lacunas e deficiências do aeroporto Internacional de Luanda foram novamente discutidas, e informo que a decisão da conferência foi continuar a classificar o aeroporto como criticamente deficiente, Estrela Negra”, lê-se no documento assinado pelo presidente da IFALPA, Jack Netskar, direcionada para INAVIC.

Além destes pontos já mencionados, a IFALPA apontou também o mau estado das “marcações de pista pouco claras”, assim como de NAIVADS (integrador de ajuda à navegação baseado em solo) inutilizáveis não publicado por NOTAM (documento que tem por finalidade divulgar, antecipadamente, toda informação aeronáutica que seja de interesse direto e imediato à segurança). Queixam-se também do uso regular do português “causando pouca consciência situacional”.