Fábrica de galvanização gera empregos e aposta na reabilitação da indústria

Pioneira no processo de Galvanização a quente em Angola, a Galvostahl, marca da Anglobal, aposta na reabilitação da indústria com impacto directo na economia angolana, contribuindo para a criação de emprego e para o rápido desenvolvimento das infraestruturas do país, eliminando a dependência das importações.

Actualmente, estima-se que um país industrializado perca em torno de 3,5% do seu PIB arcando com custos de corrosão, o que pode resultar em prejuízos de biliões dólares. Um dos melhores métodos para a mitigação da corrosão é a galvanização.

Este processo é vital para a durabilidade dos materiais metálicos utilizados em diversos sectores como transportes (automóveis, reboques, ferrovias, etc), agricultura, construção, fundações, ferragens, tubagens, energia, torres de comunicação, entre outros.

Ao abrigo do Programa de Privatizações (PROPRIV) 2019 -2022, a Anglobal, empresa de Engenharia de capital angolano, adquiriu duas unidades na ZEE, Zona Económica Especial Luanda-Bengo.

Os objectivos são claros, nas palavras de Victor Lima, PCA da Anglobal, “Modernizar, dinamizar e reinvestir no sector, apostando na inovação, na formação, na mão de obra qualificada e na oferta de um serviço de qualidade e de excelência”.

O aço galvanizado é um dos mais antigos materiais de construção e fabrico de uso generalizado e é actualmente o material mais reciclado do mundo.

Mais de duas em cada três toneladas de aço são feitas de materiais reciclados, e até 95% de alguns tipos de aço (o aço utilizado nos automóveis, por exemplo) é novamente utilizado.

A tecnologia de fabrico de produtos de aço galvanizado com zinco de qualidade é amigo do ambiente está em constante evolução e a Galvostahl está na vanguarda com todos os processos e certificações ambientais para uma indústria altamente produtiva, rentável e limpa.