Notícia Saúde

Após matar milhares em 43 anos, Ébola já tem cura

Fim da epidemia! Uma equipa médica congolesa descobriu recentemente a cura da doença Ébola, apesar do surto já ter tirado a vida de milhares de pessoas desde o seu surgimento há 43 anos, conforme indicam dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Graças ao esforço da equipa médica congolesa supervisionada pelo Dr. Jean-Jacques Muyembe, as pessoas infectadas com o vírus Ébola já podem escapar da morte e ser tratadas e curadas em fracção de horas, conforme assegurou à BBC, o especialista congolês por trás do tratamento.

Tendo sido o primeiro médico a ver um paciente com Ébola (em 1976) Jean-Jacques Muyembe, de 77 anos de idade, que está a ser visto como um verdadeiro herói por estar a lutar por esta causa já há 40 anos, refere que até o momento já duas pessoas, libertadas de um centro de tratamentos na RDC, foram curadas do Ébola usando os medicamentos experimentais da sua equipa.

Só na RDC, o vírus matou cerca de 1900 pessoas no ano passado, os avanços da pesquisa do Dr. Muyembe asseguram que cerca de 90% das pessoas infectadas podem sobreviver quanto mais cedo receberem o tratamento usando os novos medicamentos chamados REGN-EB3 e mAb114, que actuam atacando o vírus Ebola com anticorpos, neutralizando seu impacto nas células humanas.

Banner Publicitário - RLV

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), dois outros tratamentos, chamados ZMapp e Remdesivir, que foram usados ​​durante a epidemia maciça de Ébola em Serra Leoa, Libéria e Guiné, foram retirados dos testes, pois, os novos medicamentos experimentais foram mais eficazes.

Dr. Muyemba encara esta como sendo a conquista da sua vida.

Dr. Jean-Jacques Muyembe

Passei quatro décadas da minha vida a pensar como tratar pacientes com o vírus Ébola. Portanto, esta é a conquista da minha vida ”, disse o Dr. Jean-Jacques Muyembe

Comentários do Facebook
Partilhar
  • 77
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *