Universidades de Angola não costam no “ranking” das 100 melhores de África

O país sempre teve diversos atrasos em todos os sectores, em 2019 três universidades estiveram entre as 100 melhores dentre elas a UAN, Católica e Metodista, mas para 2020 nenhuma estve presente no ranking do Webometrics.

Com bastante sacrifício e determinação, Angola tem buscado melhorar aquilo que é a educação do país com meios que parecem ser viáveis. Estar entre as 100 melhores do Continente Mãe não foi possível devido aos critérios de avaliação mas nem tudo é tristeza pois entre as 200 universidades africanas no Unirank (Instagram University Ranking), o estabelecimento de ensino superior de Angola melhor classificado é a Universidade Privada de Angola, que aparece em 70º lugar, asseguir a Universidade Católica de Angola em 79º lugar e a Universidade Agostinho Neto na posição 98.

A diversificação nos critérios de selecção das melhores universidades adoptados pela Unirank são diferentes dos do “ranking” do Webometrics. Enquanto o primeiro trabalha com dados fornecidos por fontes independentes, em vez de dados enviados pelas próprias universidades, já o Webometrics faz a classificação com base na informação que existe nas páginas ou sítios oficiais na Internet das universidades.

Para o ano 2020, a África do Sul lidera os dois “rankings”, tendo colocado, nos primeiros seis lugares do Unirank as universidades de Pretória, da Cidade do Cabo, de Witwatersrand, de Joanesburgo, de Kwazulu Natal e de Stellenbosch. Mostrando a diferença, a Universidade da Cidade do Cabo, que no Unirank aparece na segunda posição, está em primeiro lugar no Webometrics, enquanto a Universidade de Pretória (líder no Unirank) está na quarta posição do Webometrics, atrás das universidades de Witwatersrand (terceiro lugar) e de Stellenbosch (segundo lugar). Na sexta posição do Webometrics está a Universidade do Cairo (Egipto).

Os métodos para ditar os melhores entre os melhores, não favorecem a todos, na sua maioria a informação é baseada nas páginas ou sítios oficiais na Internet das universidades, várias combinações de diversos factores, conduzidos com frequência por revistas, jornais, governos ou académicos. Além de classificar instituições inteiras, as organizações realizam rankings de programas específicos, departamentos e escolas e nem sempre o que se exposto é apenas o que a universidade tem a oferecer.

Ravelino de Castro
CEO e fundador.