Morte do Inspector das Finanças envolvido no processo Job Capapinha cria revolta e familiares clamam por justiça

Neste domingo 31 de Maio o inspector-geral das Finanças do Cuanza-Sul, Rodrigues Eduardo, foi friamente assassinado com um tiro à queima roupa no município de Cazenga, o cidadão de 35 anos devia prestar declarações à Procuradoria-Geral da República (PGR) na quarta-feira.

Por volta das 21 horas, quando Rodrigues ia à busca da mulher e dos filhos em casa da sogra, foi interpelado no bairro Gesso, na Rua das Bombas Azul, por quatro indivíduos, até agora não identificados, que usavam duas motorizadas como transporte, cercaram a vítima e a mandaram abrir a porta da viatura efectuando dois disparos, um dos quais atingiu Rodrigues Eduardo no membro superior esquerdo, tendo perfurado a região do tórax, causando-lhe morte imediata, deixando ilesa o pendura que o acompanhava.

Em 2008 Rodrigues Eduardo iniciou a actividade laboral no Ministério das Finanças, com colocação na Delegação Provincial das Finanças do Bengo. Em 2012, foi enquadrado na categoria de inspector superior de 2.ª classe e colocado na Inspecção-Geral de Finanças, tendo, em seguida, sido promovido à categoria de inspector superior de 1.ª classe. Em 2019, foi nomeado chefe do Departamento de Inspecção de Finanças da Delegação Provincial do Cuanza-Sul, função que exerceu até o dia da sua morte.