Presidente Federação Francesa de Futebol prioriza a saúde e não o dinheiro

O presidente Federação Francesa de Futebol (FFF), Noël Le Graët falou nesta sexta-feira em entrevista à AFP que existe a necessidade de “priorizar a saúde, não o dinheiro”, baseando-se na paralisação definitiva das competições nesta temporada em França.

Com a paralisação dos jogos, a economia sofreu um desequilíbrio: “Perdemos quatro jogos da seleção, o que dá cerca de dez milhões de euros. Por outro lado, não há despesas e interrompemos certas operações. Coloquei em prática um sistema para que, no final de junho, apresentássemos um orçamento próximo do equilíbrio. Nas previsões para 2020-2021, acho que os jogos da seleção francesa serão disputados com o público. Temos quatro jogos atrasados, se pudermos fazer no mínimo dois na temporada, ficarei feliz”, disse o presidente.

A pandemia de coronavírus interrompeu o esporte na França em Março e no final de Abril a Ligue 1 foi suspensa e encerrada definitivamente, com o Paris Saint-Germain sendo declarado campeão. Foi a única das cinco principais ligas europeias a desistir da retomada.

“Nunca respondi às decisões tomadas pelo Estado. Prioridade à saúde em detrimento do dinheiro”, disse Le Graët mesmo sabendo das perdas econômicas.

A disputa da Copa da França, entre Paris Saint-Germain e Saint-Etienne, que poderia ser disputada no início da temporada que estava prevista para Abril: “Estamos em diálogo permanente (com as autoridades), com progressos que me parecem positivos”, afirmou Noël Le Graët.

Para ajudar o futebol “amador” em França, a Federação Francesa de Futebol apoia com 30 milhões os mais atingidos pela crise.