Lojas de Isabel dos Santos encerradas aumenta o nível de desemprego em Angola

Prateleiras praticamente vazias, é o novo cenário das lojas do Candando culminando assim no fechamento de vários supermecados da empresária dentre elas a de Viana, provocando o desemprego de mil funcionários, confirmou a empresária durante a entrevista ao Jornal Valor Econômico.

Sem poder sustentar uma loja sem rendimentos por falta do que comercializar, Isabel dos Santos viu-se obrigada a fechar alguns dos seus empreendimentos, deixando mil dos dois mil trabalhados sem emprego. Isabel dos Santos afirma: “Sim, o Candando está a fechar. Não todas as lojas, algumas vão fechar. Só metade das lojas vai continuar. De 2.000 trabalhadores, só metade permanecerá”, triste prosseguiu dizendo: “infelizmente, estão a matar as empresas com este arresto, as empresas têm dívidas com os bancos que financiaram estes projectos e não com o Estado”, deixou claro a empresária.

Com as contas bloqueadas não restaram muitas alternativas: “O Candando está a passar grandes dificuldades, pois o arresto do Tribunal de Luanda está a ter um impacto negativo e a afectar a operação da empresa, os danos são grandes, pois não está a permitir ter uma relação normal com os fornecedores. A ordem de arresto mandou congelar as contas bancárias da empresa do Candando de Portugal. Ou seja, já não pode pagar nenhum fornecedor. E mandou bloquear todos os pagamentos no exterior”, falou durante a entrevista.

Localizado no Morro Bento e inserido no Shopping Avenida, ocupa uma área de 10 mil metros quadrados, resultantes de um investimento de 40 milhões de dólares, este é o primeiro hipermercado da rede Candando desde Junho de 2016, com quatro anos de existência no mercado angolano, e teve o segundo inaugurado no mês de Abril em 2017, e a terceira loja com a localização em Viana consta na listas das futuras encerradas.