Voos para o estrangeiro restabelecidos em Angola no findar do mês

Vários são os países que voltam paulatinamente ao que era habitual e suas fronteiras reabertas estão a ser. Angola tem prevista a abertura das fronteiras, autorizando voos segundo o Decreto publicado no Diário da República desta semana.

Para a prevenção dos riscos de propagação da pandemia da Covid-19, Angola tem o regulamento da declaração do Estado de Calamidade Pública que o país vive até o momento. A circulação dos cidadãos do país para o estrangeiro e vice-versa, terá uma abrangência desde os titulares de residência, cartão de refugiado, vistos de investidor, de trabalho, de estudo e de permanência temporária, entrada e saída de carga, mercadoria e encomendas postais, ajuda humanitária, emergências médicas, entrada e saída de pessoal diplomático e consular e transladação de cadáveres exceptos os que morreram vítimas da Covid-19, todos estes terão a liberdade para efectuarem viagens.

Para que um indivíduo seja apto para a viagem, deve realizar obrigatoriamente o teste de Covid-19 oito dias antes da data prevista para a viagem e deve ser controlada por entidades devidamente competentes isto é, as autoridade de saúde do país de onde pretendem partir. De acordo com o governo angolano as viagens para o estrangeiro e para o país, poderão voltar a efectuar-se em Luanda a partir 30 de junho, e sua frequência será dependente dos acordos serviços aéreos que vierem a ser feitos entre as autoridades de Aviação Civil de Angola e dos Estados envolvidos, com a autorização Autoridades Nacional da Aviação Civil.

Como prevenção os passageiros que regressarem ao país terão que cumprir obrigatoriamente a quarentena institucional de 14 dias: “Caso não exista capacidade de acolhimento, os passageiros devem, sob sua responsabilidade e custos próprios, efetuar o período de quarentena nas unidades hoteleiras previamente aprovadas pelo Ministério da Saúde”, esclarece o documento que autoriza os voos no território angolano.