Falta de ‘líquido precioso’ deixa habitantes do Nzeto desesperados

Torneira
Torneira

A falta do líquido precioso “água” nas localidades do Nzeto província do Zaire, deixa os habitantes agastados e em profundo desespero, levando a população à beber água impropria tirada dos rios e comercializadas por camiões cisternas à preços elevadíssimos.

Segundo alguns cidadãos que falaram esta quinta-feira (03) de Setembro à Angop, a vila está sem um sistema de abastecimento de água potável funcional há cerca de 10 anos, por conta da avaria dos equipamentos da unidade de menor capacidade herdada da época colonial. A falta de água na zona fomenta o crescimento das doenças diarreicas agudas e outras do centro intestinal, provocadas pelo consumo de água não potável. De acordo com a chefe de secção da saúde no município, Adelaide Pedro, as unidades sanitárias locais atendem uma média diária de 10 pacientes com esta patologia na sua maioria crianças de até cinco anos de idade.

Pelo o que informaram os interlocutores, os comerciantes de água em camiões cisternas propõem preços especulativos para a venda de água retirada dos rios próximos da localidade, onde um recipiente (bidon) de 25 litros chega a custar 450 kwanzas.

“Confesso já não lembrar a última vez que vi a água jorrar na torneira próxima da minha residência, conectada ao antigo sistema de abastecimento do colono”, disse um dos munícipes.

A sede municipal do Nzeto dista a 230 quilómetros da cidade de Mbanza Kongo e conta com uma população estimada em 29 mil e 451 habitantes.

Ravelino de Castro
CEO e fundador.